BLOG

Confira abaixo as novidades da São Lucas.

Você teve COVID e agora está perdendo cabelo?

Você teve COVID e agora está perdendo cabelo?

A queda de cabelo tem sido uma das grandes queixas de pacientes que tiveram Covid-19. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, um a cada quatro pacientes que tiveram covid-19, apresentaram queda capilar. 

Por ser uma doença nova, ainda é necessário fazer muitos estudos para entender melhor as causas e efeitos. Mas dermatologistas já apontam que a ligação entre a queda dos fios e o Coronavírus está na alteração do ciclo capilar que a infecção causa, desencadeando um distúrbio denominado "eflúvio telógeno".

O ciclo do fio possui três fases, a primeira anágena - crescimento, a segunda catágena - preparação para queda de cabelo, por último a telógena - onde ocorre de fato a queda dos fios. O Covid-19 afeta a última fase, pois provoca uma inflamação nos folículos pilosos, o que ocasiona uma queda de cabelo intensa antes de completarem o ciclo capilar, apresentando uma perda diária de até 300 fios/dia, enquanto a queda normal é de 100 á 150 fios. 

O “eflúvio telógeno”, costuma diminuir o volume do cabelo, e pode vir a surgir cerca de até três meses depois da infecção. Costuma ser temporário e demorando até seis meses para se recuperar. 

Apesar dessa inflamação ser passageira, é possível realizar tratamentos para diminuir a queda e ajudar na reposição dos fios. Alguns cuidados como, uma alimentação equilibrada, principalmente com alimentos ricos em proteínas, vitaminas e minerais associados com suplementos com indicação médica, ajudam na recuperação dos fios. 

Outros cuidados como, evitar banhos muito quentes e o uso constante de secadores e chapinhas, não dormir com cabelo molhado ou preso, ter uma higiene adequada, restauraram a integridade do cabelo e atenuam a queda.

O ideal é que o paciente procure uma dermatologista, de preferência nos primeiros sinais de queda excessiva de cabelos, pois o tratamento às vezes pode requerer mais que cuidados do cotidiano, sendo necessário a utilização de comprimidos, aplicações de vitaminas, laser, entre outros.

Consultar um médico é essencial para receber o melhor diagnóstico e tratamento.


Leia também